O Benfica anunciou, esta segunda-feira, a saída de Paulo Gonçalves do cargo de assessor jurídico. Através de um comunicado, publicado no site oficial das águias, o clube da Luz justifica tal saída tendo com base em “razões de natureza pessoal”.
Na mesma nota, o Benfica adianta ainda que a saída de Paulo Gonçalves se deve também à “necessidade de se dedicar à sua defesa num processo judicial, em nada relacionado com o exercício de funções que lhe estavam confiadas na Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD”.
Por fim, o Benfica agradece ainda o “desempenho do Dr. Paulo Gonçalves no exercício das suas funções ao serviço desta instituição e reconhece o profissionalismo, a lealdade, a integridade e a dedicação demonstrados ao longo de 12 épocas desportivas e até hoje.”

Recorde-se que Paulo Gonçalves foi recentemente acusado pelo Ministério Público, no âmbito do processo e-Toupeira, de 79 crimes, entre os quais corrupção, recebimento indevido de vantagem, favorecimento pessoal, violação de segredo, peculato, acesso indevido, violação do dever de sigilo e falsidade informática.