Depois de um Clássico que terminou com um gosto nortenho, o Sporting entrou no dérbi lisboeta com a pressão de ter de vencer os três pontos para manter o sonho dos milhões europeus bem vivo.
O leão rugiu fora da selva de Alvalade e venceu no terreno do Restelo por 3-4, numa partida que foi um autêntico hino ao futebol nacional… um verdadeiro dérbi.

Apesar da derrota dos homens de Silas, a equipa têm de estar satisfeita com a excelente exibição e, acima de tudo, com a garra demonstrada no domingo.
Desde o apito inicial que o jogo teve um ritmo frenético e onde o golo foi a palavra de ordem. Decorriam cinco minutos, quando Bruno Paixão assinala grande penalidade a favor da equipa da casa – Falta de Rui Patrício sobre Yazalde e o árbitro não perdoou e apontou para marca dos 11 metros. Yebda foi chamado a marcar o penálti e não falhou. Estava feito o 1-0 no Restelo.

Após o golo sofrido era esperado que os leões perdessem alguma confiança, mas não, foram à procura do resultado e rugiram bem alto. Aos 12′, o suspeito do costume Bas Dost marcou o golo da igualdade – nota para a extraordinária assistência de Bruno Fernandes para o tento do internacional belga.

Três minutos depois…. foi a vez de Gelson Martins tomar o gosto do golo, fazendo assim a reviravolta no marcador. Destaque para os três golos marcados em apenas 16 minutos.

No entanto, a história da primeira parte não iria ficar por aqui, pois Acuña também quis mostrar a sua veia goleadora aos sportinguistas que estavam a assistir ao encontro no Restelo. À passagem do minuto 41, o extremo argentino disparou para o fundo das redes, sem qualquer hipótese para o guardião André Moreira.
No segundo tempo, era esperado algum abrandamento, mas engana-se, porque nada disso aconteceu. Os golos voltaram a ser o tema central da segunda parte.

O Belenenses apostou um jogo mais ofensivo, querendo olhar o Sporting nos olhos – o que obrigou o emblema de Alvalade apostar na verticalidade, tentando colocar as bolas por trás dos defesas dos azuis de Cristo.

Porém, a máquina de Silas começou a aquecer a partir do minuto 60 e, aos 62′, Licá reduziu a vantagem para 2-3 e quatro minutos depois… Fredy igualou a partida, através de uma grande penalidade. Neste momento, era esperado que o Sporting perdesse algum gás, mas não, os pupilos de Jorge Jesus voltaram a ir atrás do prejuízo.

Decorria o minuto 72′, Bruno Paixão assinala novo penálti, mas desta vez para o Sporting, e Bruno Fernandes, sem grandes hesitações e até com alguma ousadia, rematou para o fundo das redes – o que acabou por ser o último tento do encontro.

De referir que no lance do castigo máximo, Yebda acabou expulso por acumulação de cartolinas amarelas.

Com este resultado, o Sporting aproveitou a ‘escorregadela’ do Benfica para se aproximar do segundo lugar. Agora com 71 pontos, os leões estão apenas a três dos lugares de acesso à Liga dos Campeões e depende só de si para lá chegar.