Expulso no Bessa, Sérgio Conceição acabou por não falar em conferência de imprensa após o dérbi com o Boavista, no último domingo. Acabou esta quinta-feira por comentar toda a polémica que seguiu após o golo de Hernâni, aos 90+5 minutos.

«Ninguém pode dizer que não fui castigado pelas minhas três expulsões porque não fiz nada de grave para que isso acontecesse. A primeira vez foi porque sai da área técnica, a segunda também, e desta vez foi pelos festejos. Fui expulso por festejar efusivamente o golo», começou por referir o treinador do FC Porto.

«O jogo foi sempre difícil, um dérbi muito disputado, intenso, e estávamos precavidos para isso. Não contava era que o Boavista não jogasse futebol. Outro candidato foi ao Bessa e o Boavista fez 12 faltas, contra nós fez o dobro, e muitas outras que não foram assinaladas. Foi nos primeiros 15 minutos, em que houve quatro minutos de tempo útil, que o árbitro começou a perder o jogo», acrescentou, explicando assim os efusivos festejos após o golo:

– Conheço o ambiente do Bessa, tinha alguns amigos atrás do banco, pessoas que gostam de mim e me dirigiram palavras bonitas. Olhando o que se passava no banco do Boavista, não ao treinador, às faltas para amarelo, e ao jogo – que não foi um jogo, foi uma batalha -, quando fizemos o golo comemorei com um palavrão pelo meio. E o mais grave que se passou no jogo foi a minha expulsão – é inadmissível. Falam disso na televisão, mas não falaram no tempo útil, nem dos cartões amarelos.

Sem se alongar mais no tema – «o Bessa já está, três pontos» – Sérgio Conceição deixou um exemplo: «Quando foi o golo do Éder [ndr. que deu vitória a Portugal no Euro-2016], ninguém soltou um palavrão? Só se estivessem na missa. É normal num momento de emoção. E para mim, os golos do FC Porto são todos como os do Éder. São vividos emoção e paixão. Querem que faça o quê? Não consigo ser de outra forma. Têm que me meter numa jaula, ou algo do género.»

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here