António Salvador, presidente do SC Braga, dirigiu-se à imprensa no final do empate entre o Sporting e o SC Braga (2-2), defendo que a formação bracarense está na luta pelo título de campeã nacional, apesar das «adversidades».

«É um enorme orgulho para mim, como presidente deste clube, e para os nossos adeptos, a nossa equipa vir aqui fazer o fez hoje. Tenho um grande treinador, grandes jogadores e belíssimos profissionais. Disse no início, e muitos de vocês riram-se, que tínhamos um dos melhores plantéis de sempre do clube, ao nível daquele que foi à final da Liga Europa. Podem querer um campeonato a três, mas vão ter que contar connosco, mesmo que não nos deixem. Mesmo com estas adversidades todas, nós vamos lutar para vencer. Contem connosco», afirmou o presidente dos arsenalistas, que deixou duras críticas não só à exibição da equipa de arbitragem, mas também a quem a nomeou:

«O SC Braga não tem por hábito comentar nomeações para os jogos ou para o videoárbitro (VAR), mas estas nomeações deixaram-nos apreensivos e, infelizmente, verificou-se a causa da nossa apreensão. Primeiro, em relação ao VAR {Rui Costa], não está em causa a sua qualidade, mas o condicionamento com que ele estaria para este jogo, em função da última arbitragem aqui em casa do Sporting. Depois, tenho de perguntar a quem nomeia os árbitros: como é possível, ao fim de 10 jornadas, nomear-se o mesmo árbitro para os três jogos que fizemos com os três grandes? Será que não há mais árbitros? Só há o Carlos Xistra para apitar os jogos do SC Braga com o Benfica, Sporting e FC Porto?».

O presidente dos minhotos enumerou depois os lances onde considera que a sua equipa foi prejudicada, no jogo frente à formação de Jorge Jesus:

«Todos viram o que aconteceu. Há um golo que é invalidado pelo árbitro menos antes da bola entrar. Era um golo limpo e o VAR não atua! Há um penalty sobre o Danilo na primeira parte, quando estava 0-0, que vocês viram todos. Nem vou falar do critério dos cartões amarelos! O Esgaio é travado em falta numa jogada de ataque onde o adversário deveria ter visto amarelo e não levou. O André Pinto, numa falta sobre o Fábio Martins, devia ter levado o segundo amarelo e não levou. E, por último, quando se dá o golo do empate do Sporting, há uma falta sobre o Ricardo Ferreira do Doumbia, que lhe mete o braço e o impede de saltar. É preciso começar a pensar se estas ferramentas têm critérios iguais para todos ou só para alguns jogos».