O Peru celebrou há uma semana o apuramento para o Mundial’2018, quebrando um jejum que durava há já 36 anos. No entanto, a seleção peruana poderá correr o risco de ficar de fora da prova devido a questões políticas, segundo avança a imprensa do próprio país.

De acordo com o jornal Libero, Paloma Noceda, congressista peruana, pretende levar a cabo um projeto de lei que determina a passagem do controlo da federação de futebol para a esfera governamental.

Ora, as leis da FIFA colidem com a existência de federações que não funcionem de forma autónoma e que estejam sob intervenção governamental, pelo que o Peru poderia ser punido com a exclusão do Mundial’2018 e de outras provas organizadas pelo órgão.

As notícias no Peru fizeram eco na imprensa italiana, que já questiona a possibilidade de ver a “squadra azzurra” no Mundial. Perante um eventual afastamento da formação comandada por Ricardo Gareca, a FIFA teria de escolher uma seleção para ocupar a vaga em aberto, pelo que a formação transalpina poderia marcar presença no certame.

A congressista em causa também já reagiu a uma eventual exclusão da seleção peruana, mostrando-se convicta de que “nenhum projeto de lei impedirá que o Peru vá ao Mundial”.

“Pode existir preocupação na FIFA, mas necessitamos de fazer as coisas em função do bem do desporto peruano. Nenhum projeto de lei impedirá que o Perú vá ao Mundial. Se isto afetar o Peru, debate-se e retira-se”, atirou Paloma Noceda.