António Duarte Arnaut foi sempre um Homem de Penela, um Homem nascido na Cumeeira como sempre fazia questão de referir, onde “as pessoas comiam o pão duro dos dias sem sol, viviam à míngua e morriam, em regra, sem assistência médica” …
Estes tempos ásperos que viveu – o filho do sapateiro, que se fez Ministro da Nação, Escritor, Advogado – forjaram o Homem que se tornou numa incontornável referência dos nossos dias.
O Homem de luta pelas causas em que se revia e que acreditava fundamentais para um mundo melhor. Um mundo em que os seus valores mais caros – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – fossem além das palavras, num permanente combate às, muitas vezes consideradas, pequenas injustiças, porque como descreve nas Noites Afluentes:
“Não me conformo com as pequenas injustiças. Aceito as grandes, porque são inevitáveis, como as catástrofes, e atestam a impotência dos deuses. Aquela criança, descalça, apenas precisava de uns sapatos. Se tivesse nascido sem pés, não era tão grande a minha revolta.”
Foi nesta atitude de permanente inconformismo com as “pequenas injustiças” que construiu todo o seu percurso de vida, sustentado em elevados princípios de cidadania que sempre foram o seu guia de ação enquanto cidadão comprometido, advogado esclarecido, político destemido e escritor de invulgar sensibilidade.
A partida, hoje conhecida, do Dr. António Arnaut deste mundo dos vivos constitui uma perda irreparável para Penela, para Portugal e para o Mundo. Fica-nos a obra e fundamentalmente o grande exemplo de verticalidade, de princípios e de valores que sempre constituíram a matriz inalienável do seu percurso de vida.
Cabe-nos a todos, honrar esse legado e transmiti-lo, também pelo exemplo, às gerações vindouras.
A Câmara Municipal de Penela, reunida hoje em sessão ordinária, deliberou, por unanimidade, aprovar o presente voto de pesar pelo falecimento do conterrâneo Dr. António Duarte Arnaut, e manifestar profundas condolências á família e ao Partido Socialista de que foi fundador.