O Presidente do Município de Penacova em entrevista à Agência Lusa foca que “O objetivo é basicamente tentar seguir o modelo que tem sido seguido, definir uma determinada área, os tais 100 metros e, nessa área, criar um tipo de ocupação do espaço diferente”.
O autarca de um dos concelhos afetados pelos grandes incêndios de 15 de Outubro de 2017, já visitou a Ferraria de São João, aldeia no concelho de Penela, afetada pelo grande incêndio de Pedrógão Grande e que decidiu eliminar os eucaliptos numa faixa de proteção de 100 metros à volta da localidade.
“O projeto deverá avançar na aldeia de Castinçal, da União de Freguesias de São Pedro de Alva e São Paio do Mondego, e também deve ser aplicado em várias das aldeias da antiga freguesia de Friúmes, podendo, neste último caso, surgir em momentos e velocidades diferentes”, referindo ainda que “Em Friúmes, foi a sociedade civil que se mobilizou para o efeito e o projeto nasceu no seio da sociedade civil e da junta de freguesia. Já no caso do Castinçal, a câmara é proprietária de terrenos”, o que torna mais fácil avançar com o projeto nessa localidade, explicou.
O processo “poderá passar pela plantação de algumas espécies florestais, mas mais por uma ocupação agrícola do território, num modelo diferente de gestão do espaço”, explanou Humberto Oliveira.

O município surge apenas como parceiro da iniciativa

“O que pretendemos é que seja uma vontade da sociedade civil. Seremos parceiros e vamos dar o apoio dos nossos técnicos e apoios, eventualmente, para plantar ou semear”, vincou Humberto Oliveira.