O jornalista Alípio de Freitas, que se destacou na luta pela liberdade e apoio aos movimentos camponeses no Brasil, morreu esta terça-feira, em Lisboa, aos 88 anos, disse à agência Lusa fonte próxima da família.
Alípio de Freitas vai ser homenageado no dia 17 de Junho, num espectáculo com a participação de diversos artistas, entre os quais a filha Luanda Cozetti, a que se associou o Sindicato dos Jornalistas.
O concerto já estava marcado antes da morte do jornalista e vai manter-se.

Alípio de Freitas, que nasceu em Bragança, foi jornalista da RTP, professor universitário, padre em Portugal e revolucionário no Brasil.
No Brasil, criou estruturas de apoio à população mais carenciada, deu aulas na universidade, participou em ocupação de terras, foi preso e torturado.
Esteve exilado no México, viveu em Cuba e regressou ao Brasil, onde foi dirigente do Partido Revolucionário dos Trabalhadores. Depois de uma detenção de quase 10 anos naquele país (1970-1979) escreveu o livro “Resistir é Preciso”. O nome de Alípio Freitas dá nome a uma canção de José Afonso.
Viajou para Moçambique, onde também apoiou os camponeses, e entrou na RTP nos anos 80, tendo permanecido na empresa até 1994.
Alípio de Freitas foi co-fundador da Casa do Brasil em Lisboa e da Associação José Afonso.

O corpo de Alípio de Freitas estará em câmara ardente a partir das 17h00 na Basílica da Estrela, em Lisboa. O funeral irá realizar-se na quarta-feira, às 12h00, no Alvito, no Alentejo.