Cerca de um ano sobre o falecimento de Mário Soares, o Parlamento Europeu homenageou hoje o antigo chefe de Estado e de Governo português atribuindo o seu nome a uma das salas da assembleia em Bruxelas, numa cerimónia muito concorrida, na qual António Costa iniciou a sua intervenção saudando esta homenagem à “memória de um grande homem, de um grande português, de um grande europeu e de um grande cidadão do mundo” e que
Lembrando o percurso de Mário Soares e o seu papel de “resistente à ditadura”, assim como à “radicalização da Revolução (do 25 de Abril de 1974) e à tentação totalitária que a acompanhava”, António Costa apontou que, “no desempenho dos mais altos cargos – secretário-geral do PS, dirigente da Internacional Socialista, primeiro-ministro, Presidente da República – o grande e permanente objetivo de Soares foi instituir, consolidar, aprofundar e enraizar em Portugal, sem ambiguidades, adiamentos ou álibis, uma democracia europeia, civilista, pluralista, pluripartidária e desenvolvida”.
António Costa sublinhou “se Soares lutou sempre por um Portugal europeu, lutou e militou também sempre por uma Europa moderna que esteja à altura da sua melhor tradição e dos altos desígnios dos seus pais fundadores”.
Regozijando-se por, com esta homenagem, o nome de Mário Soares se juntar, “merecidamente, no Parlamento Europeu aos nomes de outros europeus ilustres, como Konrad Adenauer, Altiero Spinelli, Willy Brandt e Simone Veil, de alguns dos quais foi amigo”, António Costa defendeu que, “num tempo de mudanças, dificuldades e perplexidades (…) os grandes europeus e o seu exemplo edificante são um património” que deve ser valorizado e divulgado e focou que “Agradeço, como português e cidadão europeu, e em nome do Governo português e de Portugal, esta homenagem. Estamos muito reconhecidos aos que dela tiveram a iniciativa e a todos os que a tornaram possível. Portugal tem muito orgulho em Mário Soares, e sabemos que a Europa a que, em grande parte graças a ele, pertencemos e que ele ajudou a construir, partilha connosco este orgulho reconhecido e inspirador”, completou.