Candidato derrotado nas últimas eleições do Sporting, Pedro Madeira Rodrigues formalizou, através de carta registada ao presidente do Conselho Fiscal do clube, pedido de auditoria às contas do mandato da Direção presidida por Bruno de Carvalho.

Em causa, sobretudo, estão os processos de transferência de jogadores, nomeadamente de Alan Ruiz, Bruma, Bruno César, Cédric Soares, Fredy Montero, Junya Tanaka, Marvin Zeegelaar, Naldo, Paulo Oliveira e Rúben Semedo.

Madeira Rodrigues pretende ver esclarecido os quase 7 milhões de euros em comissões que terão sido pagas nestes negócios.

O pedido de auditoria, além de enviado presidente do Conselho Fiscal da SAD, António Rui Moreira de Carvalho, foi também enviado ao líder do mesmo órgão do clube, Nuno Silvério Marques, assim como a Gabriela Figueiredo Dias, presidente do Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Eis a carta na íntegra:

«Exmo. Sr., tendo em conta as recentes acusações públicas graves, nomeadamente a do crime de peculato, feitas contra o actual Presidente do Clube, Bruno de Carvalho, a respeito do processo de aquisição dos direitos económicos e desportivos do jogador Junya Tanaka, a que se seguiu uma defesa do próprio Presidente, cuja aparente contradição em relação aos factos daquele processo adensou a suspeita criada, venho por este meio solicitar a realização de uma auditoria urgente à transferência de alguns jogadores da equipa principal de futebol de forma a defender o nome do actual Presidente e do próprio Sporting Clube de Portugal e esclarecer quaisquer dúvidas que existam.

O facto do Ministério Público estar a investigar esta questão não invalida, antes reforça, que o Conselho Fiscal possa actuar de forma proactiva e ajudar a esclarecer nomeadamente os associados do Sporting Clube de Portugal e os accionistas da Sporting SAD em relação a este assunto.

Àquela polémica atrás referida já surgiu outra relacionada com a alienação dos direitos económicos e desportivos do jogador Ruben Semedo, que tem tido igualmente forte repercussão pública, pelo que se solicita que seja dada prioridade a este pedido de auditoria que complementará a prometida e, até agora infelizmente adiada, auditoria ao primeiro mandato da Direcção presidida por Bruno de Carvalho.

Para acelerar o processo da auditoria esta poderá, numa primeira fase, ficar limitada aos processos de transferência dos seguintes 10 jogadores, num modelo de amostra que se baseou nas notícias que têm surgido na comunicação social e que se debruce em particular sobre o destino final dos quase 7 Milhões de € em comissões que foram pagas nestes negócios:

– Alan Ruiz (aquisição) – Comissão declarada de 1 Milhão € (700 mil para a Admira Partners e 300 mil para a Costa Aguiar Sports);
– Bruma (alienação) – Comissão declarada de 800 mil € para a Buttonpath;
– Bruno César (aquisição) – Comissão declarada de 1 Milhão e 300 mil € para a Costa Aguiar Sports;
– Cédric Soares (alienação) – Comissão declarada de 600 mil € para a Buttonpath;
– Fredy Montero (alienação) – Comissão declarada de 350 mil € para a Proeleven (aqui a dúvida levantada prende-se com o valor real da alienação);
– Junya Tanaka (aquisição) – Comissão declarada de 500 mil para a B.I.S.C;
– Marvin Zeegelaar (alienação) – Comissão declarada de 300 mil € para a Buttonpath;
– Naldo (alienação) – Comissão declarada de 360 mil € para a Buttonpath;
– Paulo Oliveira (alienação) – Comissão declarada de 230 mil € para a Buttonpath;
– Ruben Semedo (alienação) – Comissão declarada de 1,4M € para a Buttonpath.

Solicito que, para protecção dos interesses superiores dos associados do accionista maioritário da sociedade e dos accionistas da Sporting SAD, esta auditoria se realize com a maior brevidade possível, com conclusão se possível até final deste ano e seja realizada por uma entidade externa e independente credenciada especializada em gestão de fraudes.

Agradeço desde já o acolhimento a esta proposta por parte de V.Exa., disponibilizando-me para, se necessário, custear a auditoria solicitada, passando nesse caso a ser da minha responsabilidade a escolha da empresa que procederá à auditoria.»