Um ano depois do mediático caso dos homicídios de Aguiar da Beira, o arguido Pedro Dias vai esta sexta-feira a julgamento e nem a greve dos guardas prisionais deve impedir o início das audiências. Entre outros crimes que lhe são imputados, Pedro Dias está acusado de três crimes de homicídio e duas tentativas de assassinato, após ter protagonizado uma das mais misteriosas fugas de sempre.
O julgamento inicia-se, no Tribunal da Guarda, e espera-se a quebra do silêncio que o arguido manteve desde que foi detido, em Novembro do ano passado. Os advogados de defesa não avançam se Pedro Dias vai ou não pronunciar-se perante o juiz, mas até agora não negaram a maioria dos factos que as autoridades apuraram em relação ao caso.
Ao todo, o suspeito é acusado de 16 crimes: 5 de homicídio (3 consumados e 2 na forma tentada), 3 de sequestro, 5 de roubo e 3 de posse de arma proibida. Em outubro do ano passado, terá tentado abater a tiro dois militares da GNR numa mata junto ao Hotel das Caldas da Cavaca, onde se encontrava alegadamente a roubar material. Um dos polícias acabou por morrer. Pedro Dias conseguiu abandonar o local com recurso ao carro-patrulha da GNR. Pelo caminho terá ainda agredido e sequestrado dois idosos em Arouca e feito mais duas vítimas mortais.
Após 28 dias de fuga, Pedro Dias deu uma entrevista à RTP e entregou-se, em direto, às autoridades. Desde então o arguido tem aguardado julgamento no Estabelecimento Prisional de Monsanto, a cadeia portuguesa de alta segurança. O julgamento vai decorrer com segurança máxima.