Vai ser inaugurada sábado, às 16 horas, no Museu Municipal Álvaro Viana de Lemos, na Lousã, uma exposição iconográfica que documenta outro modo de fazer a Guerra Colonial.
Trata-se de um conjunto de meia centena de cartazes e folhetos reunidos por Fernando Hipólito, quando foi furriel miliciano na Guerra Colonial no Leste e Norte de Angola entre 1969 e 1971. Algum deste material de acção psicológica era direccionado pelas Forças Armadas às tropas portuguesas, outro dirigia-se à população autóctone, cidadãos comuns mais ou menos comprometidos com os movimentos independentistas, ou mesmo aos guerrilheiros operacionais. A exposição será complementada por uma palestra, a cargo de Alcides Martins, subordinada ao mesmo tema, seguida de debate com intervenção de convidados e do público.
A iniciativa encerra com a apresentação do livro “191 – Memórias de um soldado em Angola”, de Onofre Varela, um dos convidados para o debate.
A iniciativa está integrada nas comemorações do cinquentenário do jornal Trevim, assinalando o Dia do Armistício celebrado nesta data há 99 anos para pôr fim a Primeira Guerra Mundial.