O projeto “Adotar uma Aldeia” quer que grupos de voluntários se reúnam na reconstrução e apoio às comunidades afetadas pelos incêndios, em especial no interior do país, mas não pretende impor regras a quem quer ajudar.
Nascido da ideia de um grupo de voluntários que foi para o terreno após o incêndio de Pedrógão Grande, em junho, e que tem a sua base operacional em Vieira de Leiria, o “Adotar uma Aldeia” pretende ser uma rede de voluntariado disseminada pelo país, que possa manter uma intervenção de longo prazo e de compromisso em cada uma das comunidades afetadas pelos incêndios e não apenas uma única visita ou intervenção
O Bairro Norton de Matos, em Coimbra, por exemplo, já adotou uma aldeia na freguesia de Fajão, na Pampilhosa da Serra.

“Reúna um grupo de amigos/ Escolha uma aldeia / Faça um levantamento das necessidades / Angarie o material e, no fim de semana ou fins de semana, dê um pouco do seu tempo para ajudar na reconstrução” são os princípios associados ao projeto, a partir dos quais os promotores da ideia criaram uma página comunitária – disponível em https://www.facebook.com/ComunidadeSolidariaAdoptarAldeia/, onde reúnem uma série de informações que têm vindo a recolher no terreno enquanto voluntários e que podem servir de guia a quem pretende envolver-se na ajuda humanitária.