A Procuradoria Geral Distrital de Coimbra confirmou, esta tarde, que há mais três arguidos no inquérito aos incêndios de Pedrogão, que causaram a morte a 66 pessoas, prevendo-se que a conclusão do inquérito aconteça num prazo de dois meses.
A notícia tinha sido avançada pelo semanário Expresso e, a meio da tarde, a Procuradoria Geral Distrital de Coimbra acabaria por confirmar que a lista de arguidos no caso subiu para 10, adiantando também, em nota à Imprensa, que se constituiram como assistentes 12 pessoas. Segundo o Expresso, os novos arguidos são Margarida Gonçalves, da Proteção Civil; José Graça, vice-presidente da Câmara de Pedrógão e António Castanheira, também desta autarquia. Os restantes arguidos são: Mário Cerol, segundo comandante distrital da Proteção Civil de Leiria; Augusto Arnaut, comandante dos bombeiros de Pedrógão; Sérgio Gomes comandante do Centro Distrital de Operações de Socorro de Leiria; ainda dois funcionários da Ascendi e outros dois de empresas subcontratadas para fazer as limpezas e gestão de combustível.
De recordar que se assinala no próximo domingo, dia 17 de Junho, um ano dos incêndios de Pedrógão Grande