O Tribunal da Relação de Coimbra negou provimento ao recurso interposto pelo antigo Vice-Presidente da Câmara Municipal de Góis, confirmando a decisão de absolvição e de arquivamento do caso em que Maria de Lurdes Castanheira era acusada dos crimes de difamação e injuria.
Esta decisão confirma a anterior, do Tribunal de Instrução ao não pronunciar Lurdes Castanheira, entendendo este Tribunal de 2ª Instância que as expressões utilizadas não são susceptíveis de atingir a honra individual do candidato independente derrotado nas últimas autárquicas, concluindo que as mesmas foram proferidas no âmbito das funções públicas que ambos assumem e da luta política protagonizada pelos candidatos.