As dúvidas que estão a ser colocadas à volta da continuidade de Jonas no Benfica 2018/2019 deverão ser dissipadas até ao jogo do próximo dia 7 com o Fenerbahçe, na Luz, da primeira mão da 3.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

É hora de colocar o futuro do goleador brasileiro em pratos limpos. Fica? Só fica se renovar? Sai se não lhe melhorarem o contrato? São estás as interrogações que a situação do goleador suscita. Como já acontecera no defeso da época passada.  E que terão de ser ultrapassadas entre o Benfica e o representante e irmão de Jonas.

O cenário de uma eventual saída de Jonas também não é de tão fácil concretização, atendendo aos vencimentos auferidos pelo brasileiro na Luz. Sem estar em final de contrato, o que inviabiliza saída a custo zero, a continuidade na Europa ou o regresso ao Brasil enfrentam alguns obstáculos: desde logo os 34 anos de Jonas e os ordenados deste, que dificilmente poderão ser igualados pelos maiores clubes brasileiros. O Palmeiras foi disso exemplo sintomático. O Verdão contactou o agente e irmão de Jonas, Tiago Gonçalves, para aferir as condições contratuais deste na Luz, e assustou-se quando tomou conhecimento da verba anual auferida pelo goleador, pura e simplesmente fora do alcance do Palmeiras.

É, no fundo, um ordenado que só poderia ser igualado ou superado no mercado árabe (Al- Nassr da Arábia Saudita oferece €14 milhões ao Benfica) ou chinês. Há, também, outro dado a ter em conta: os problemas físicos de Jonas, que já levaram o brasileiro a realizar plano de trabalho especial quando ainda estava de férias no Brasil, no centro de treinos do Corinthians.

A pré-epoca de Jonas tem sido muito discreta: participou em cinco particulares, mas teve apenas 45’ como titular (com o V. Setúbal) e não marcou qualquer golo.