Através do seu diretor de comunicação, o FC Porto admitiu uma transferência bancária para a SAD do Estoril no valor de 784 mil euros, na semana anterior à realização da segunda parte da partida referente à 18.ª jornada da Liga.
«A 14 de fevereiro houve uma transferência do FC Porto para o Estoril de 784 mil euros. Nesse dia tivemos dinheiro depois do jogo com o Liverpool e pagámos também a outros clubes. No caso do Estoril, o valor refere-se a dívidas para com o clube, nomeadamente sobre a transferência do Carlos Eduardo para o Al Hilal e a cedência do Licá, conforme demonstra uma fatura de novembro de 2017», referiu Francisco J. Marques, em declarações no programa Universo Porto.

O responsável reagiu, assim, à notícia sobre a existência de uma denúncia anónima junto da Procuradoria-Geral da República, que, entretanto, já confirmou a existência da mesma. Na mesma constaria que teria havido uma suposta reunião entre um executivo da Traffic, empresa que detém a maioria do capital da SAD do Estoril, um empresário e um dirigente do FC Porto, que terá tido lugar num hotel de Lisboa, na véspera da segunda parte do jogo, dia 20 de fevereiro, portanto, para combinação de resultado. Na denúncia está também apontada também uma alegada transferência bancária para a Estoril, SAD, no valor de 730 mil euros.
«É evidente que o FC Porto não comprou o jogo com o Estoril, é uma calúnia muito grande. Alega-se que na véspera do jogo terá havido uma reunião entre alguém do FC Porto com alguém do Estoril e um empresário. É completamente falso, pois nessa data as relações do FC Porto com o Estoril estavam um pouco acesas devido à troca de bilhetes para esse jogo. Não temos absolutamente nada a esconder, não somos como outros clubes, que quando são acusados tentam lançar cortinas de fumo», atirou ainda Francisco J. Marques, rematando: «O FC Porto não compra jogos, ganha-os. Compra, sim, uma boa equipa e um bom treinador. Nada nos vai desviar do nosso caminho, que é ganhar os jogos dentro do campo.»