A produção de milho em Portugal poderá sofrer alguns constrangimentos, já na próxima campanha, devido à falta de água que se tem sentido no país, sobretudo nas regiões a sul do Tejo. Esta preocupação foi manifestada à Agência Lusa por José Luís Lopes, presidente da Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo, acrescentando que tal poderá condicionar as culturas deste ano. O setor, que, segundo José Luís Lopes, movimenta por ano, em Portugal, mais de 40 milhões de euros, englobando milhares de produtores e prestadores de serviços indiretos, vai estar em análise esta quarta-feira, na cidade nortenha da Póvoa de Varzim, no 9.º Colóquio Nacional do Milho.

A iniciativa, organizada pela referida associação, vai reunir vários especialistas nacionais e internacionais do setor, para um debate alargado sobre a situação atual da produção de milho e as perspetivas futuras do mercado, debruçando-se, ainda, sobre a ligação com o setor do leite. Neste colóquio, que se inicia hoje e se prolonga para amanhã, será, ainda, dado a conhecer o resultado de um estudo encomendado pelo Ministério da Agricultura sobre “A estratégia para produção de cereais”.