As ações de estabilização de emergência dos solos ardidos no Pinhal de Leiria vão avançar na próxima semana, se as condições meteorológicas assim o permitirem, disse hoje o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, que afirmou que há uma preocupação generalizada com “as consequências que decorreram dos incêndios, designadamente com a inevitável erosão das cinzas que acontece com as chuvas”.O governante salientou ter dado prioridade “às zonas de grande declive”, pois são as que “oferecem maior risco, onde não está incluído o Pinhal de Leiria”.
No entanto, nesta mata “vão ser executadas algumas obras de estabilização de emergência precisamente para conter os solos e minimizar os impactos”, estando as autoridades “a trabalhar afincadamente para que o plano de reflorestação de Leiria possa vir a entrar em execução rapidamente, logo que concluído”.
Luís Capoulas Santos revelou ainda que a reflorestação deve iniciar-se no próximo outono, depois de serem retiradas as árvores do terreno e de ser elaborado o projeto.