O Benfica vai avançar para a criação de uma equipa sub-23 para entrar no campeonato da categoria, que, em princípio, será criado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) já na próxima temporada. Neste momento, a equipa B corre o risco de ser extinta, mas ainda não há decisão definitiva. Ou seja, o final da equipa B está, neste momento, ainda a ser avaliado, mas existe a possibilidade de as duas formações coexistirem, pelo menos, durante um ano.
Começar uma formação sub-23 é uma decisão desportiva e política. Política por ser uma aposta forte por parte da Federação Portuguesa de Futebol (FPF); desportiva por permitir mais um patamar competitivo, sobretudo aos jogadores que saem dos juniores e que, numa equipa B, arriscariam pouca utilização. Além disso, uma equipa sub-23 terá custos menores em relação à formação B e o modelo de competição pensado pela FPF implicará sempre algumas receitas.

Para já, têm sido mantidas algumas reuniões no Seixal e as decisões estão previstas para o próximo mês de abril. Neste momento, a ideia passa pelos sub-23 trabalharem com treinadores adjuntos das equipas de juniores e da B. Nélson Veríssimo, adjunto de Hélder Cristóvão nos B, pode ser o treinador que orientará os sub-23 nos jogos.
A coexistência das duas equipas não é, como se disse, um cenário impossível de concretizar-se. Foi discutida, por exemplo, a possibilidade de jogadores da B e dos sub-23 treinarem-se juntos durante a semana e, nessa perspetiva, libertar os adjuntos para dirigir os sub-23 no fim de semana.
Luís Filipe Vieira terá a última palavra num processo que tem contado com o contributo de Bruno Maruta, coordenador da formação.