Sinal amarelo no caminho que o Sporting está a trilhar na Liga Europa. Tudo porque para a receção ao Plzen, marcada para as 20h05 desta quinta-feira, em Alvalade, o leão vai entrar em campo com seis dos seus habituais titulares em risco de exclusão. Cuidados redobrados? Nem por isso… O passado recente demonstra que os verdes e brancos têm sabido gerir este tipo de situações. Coates, Coentrão, William, Bruno Fernandes, Acuña e Gelson partem “à bica” para o embate diante dos checos, mas também partiram para a receção ao Astana – e nenhum deles viu o cartão.

A ideia de Jorge Jesus é simples: “proíbe” os seus jogadores de entrarem condicionados pela questão dos amarelos, privilegiando a competitividade que têm de colocar em cada campo. Diante dos cazaques, em Alvalade, só Gelson não foi utilizado deste grupo de seis futebolistas, mas não por questões de risco de exclusão. Depois da vantagem (3-1) conquistada na primeira mão, o técnico do Sporting quis descansar alguns dos seus futebolistas mais influentes. O extremo ficou na bancada, William jogou 30 minutos e Acuña 45. Coates não saiu do banco de suplentes, enquanto Fábio Coentrão e Bruno Fernandes foram totalistas.

Importa também referir que a questão de acumulação de amarelos se prolonga até aos quartos de final da Liga Europa. Só nas meias-finais é que o “contador” volta ao zero, para não limitar as equipas com vista à decisão da prova.