A seca levou o Ministério do Ambiente a preparar um plano de abastecimento das populações de Viseu por via ferroviária. A previsão é que a água possa ser transportada de comboio a partir do Entroncamento. Segundo avança hoje o “Jornal de Notícias”, é uma nova medida de emergência que se junta ao abastecimento já feito com recurso a 27 camiões cisterna. Todos os dias chegam à região de Viseu 3.300 m3 de água. Outra iniciativa que pode vir a ser adotada é a montagem de uma estação móvel de tratamento de água para permitir que a água depositada nas pedreiras possa ser utilizada para consumo humano. A este plano de contingência, com carácter mais imediato, junta-se a decisão do ministério do ambiente de avançar com o desassoreamento da albufeira e o alteamento da barragem do Fagilde que passará a ter maior capacidade de armazenamento, entre 20 a 25%.
A situação mais grave no país vive-se exatamente na albufeira de Fagilde, como sublinhou ontem o ministro do Ambiente, no Parlamento. A barragem, de onde sai a água que serve perto de 110 mil pessoas dos concelhos de Viseu, Nelas, Mangualde e Penalva do Castelo, está nesta altura a menos de 15% da capacidade. Além de Viseu, Bragança, Coimbra, Vila Real e Braga são os outros distritos que já foram alvo de abastecimentos. Duas centrais hidroeléctricas da EDP estão paradas por causa da seca e mais quatro estão sob gestão prudente.